Por Gabriel Chalita

“O inimigo do meu texto sou eu. Quem não é exigente e cai na complacência está perdido. Quem achar que o texto está bonito, está perdido… Entrego o livro para o editor morrendo de medo”. Por meio desses dizeres contundentes e confessionais, proferidos pela escritora Rachel de Queiroz em entrevista à Bia Corrêa do Lago, no programa Umas palavras, do Canal Futura, é possível vislumbrarmos a dimensão da mulher extraordinária que foi a autora do romance O quinze, escrito na época em que era uma jovem professora de 19 anos.

Por Gabriel Chalita

Professor, professora. Educadores. Todo dia é dia do mestre! De quem ensina e de quem aprende. De quem entende o sublime destino de caminhar ao lado das sendas do conhecimento, do aprendizado, do encontro com o novo, com o recontado. Histórias do cotidiano de milhares de professores e professoras que nos mais diversos rincões exercitam essa magnífica expressão de amor: partilhar sonhos, medos, angústias, dúvidas, projetos, vida.

Por Gabriel Chalita

Neste dia 15 de Outubro, como acontece todos os anos, há algo diferente no ar. Uma força e uma beleza incomensuráveis se desprendem do cerne do universo educacional e contagiam ambientes variados. Contagiam todas as pessoas que, por um segundo, param para refletir sobre a importância dos professores. Sobre a contribuição efetiva que têm para a formação de gerações sucessivas. Sobre o modo apaixonado com que se entregam ao exercício cotidiano do magistério.

Publicidade