Por Gabriel Chalita

”(…) Liberdade – essa palavra que o sonho humano alimenta:/que não há ninguém que explique,/ e ninguém que não entenda!/”. Esses belíssimos versos extraídos do Romanceiro da Inconfidência, de Cecília Meireles, são perfeitos para ilustrar o novo conceito de recuperação de adolescentes em conflito com a lei atendidos pela Febem. Trata-se de uma proposta ousada, moderna, fundamentada na expansão de unidades de semiliberdade, administradas pelo Governo do Estado, em parceria com entidades não-governamentais, dando início a um sistema de co-gestão.

Por Gabriel Chalita

São Paulo. 450 anos. Pintura paradoxal que reflete o moderno e o tradicional em linhas complexas, amplas, pungentes. Linhas traçadas por mais de dez milhões de artistas que habitam esta metrópole e desenham, juntos, uma das paisagens mais fascinantes e dinâmicas do planeta. Não é exagero dizer que a “terra da garoa” dá frutos singulares, uma gente que, por sua vez, tem em suas raízes ingredientes diversos que provêm do caldeirão miscigenado que compõe o Brasil.

Por Gabriel Chalita

“Digo: o real não está na saída nem na chegada: ele se dispõe para a gente é no meio da travessia”. A frase magistral, extraída da obra Grande Sertão: Veredas, do mestre João Guimarães Rosa, encerra uma série de conceitos, idéias e sugestões capazes de nos arrebatar por dias seguidos, tamanho o seu impacto e a sua densidade. Como quase tudo que o autor de Sagarana escreveu, ela exerce nos leitores um fascínio quase hipnótico, justamente porque representa uma síntese rara que une poesia e filosofia, convidando-nos à reflexão e também à apreciação estética.

Publicidade